Xícara Preta de Café Brasileiro
Curiosidades

História do Café e o Seu Consumo no Brasil e no Mundo

Saiba tudo sobre o café, de onde veio, quem é o maior produtor, quais fazendas e indústrias exportam mais e quais são seus tipos de grãos

O café, além de ser uma bebida extremamente tradicional, possui na história de seu descobrimento peculiaridades que dificilmente são conhecidas e comentadas. É imprescindível reconhecer sua importância pois depois da água, o café é considerada a bebida mais consumida em todo o mundo.

Por isso, preparamos este conteúdo com o objetivo de revelar o máximo de informações sobre esta iguaria de nível mundial, que sempre arremata novos adeptos, nunca fica ultrapassada e é de suma importância para a saúde e vida de muitas pessoas.

Qual a origem e história do café?

Segundo fontes históricas, o descobrimento do Café ocorreu no Continente Africano, na Etiópia, cidade de Cafa. Um pastor começou a observar que suas cabras passavam a ter um comportamento diferenciado quando ingeriam das folhagens da plantação de café.

Em contrapartida, em outros cantos do mundo também já eram observados os benefícios do café, inclusive como uso medicinal, primeiramente na região Arábica. A popularização se expandiu de tal maneira, que ao longo do tempo países como Egito e Turquia também já faziam o consumo do café.

Quando finalmente chegou-se a Europa no século XVII a consolidação da planta e da bebida foram confirmadas mundo a fora.

Quem trouxe as primeiras mudas e sementes, como chegou e como foi feita sua plantação no Brasil?

Falando em Brasil, as primeiras mudas e sementes chegaram em solo nacional em 1727.O plantio foi realizado pelo Sargento Francisco de Mello Palheta que transportou uma muda para o Brasil, chegando até a cidade de Belém, no Pará.

Relatos dizem que o sargento português veio ao Brasil com a missão de fiscalizar um tratado e consequentemente, trouxe mudas de café escondidas para realizar sua plantação.

Infelizmente, devido ao clima de Belém, o cultivo do café não conseguiu ser realizado de forma bem sucedida o que levou a uma migração de mudas para o Maranhão e em seguida, a Bahia por volta de 1770.

Quatro anos depois, a plantação chegou ao estado do Rio de Janeiro, e logo espalhou-se para os demais estados como: Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Paraná.

O que houve para acontecer a crise do café e como ela afetou as fazendas produtoras?

Com a grande crise de 1929, o Brasil também foi diretamente afetado. Isso porque seu principal e único produto produto de exportação, o café, era principal fonte de arrecadação de fundos estrangeiros.

Além da dependência pela exportação, o Brasil possuía altas dívidas externas que eram financiadas através das vendas desses produtos. Em um ano, as arrecadações por meio do café caíram de US$ 445 milhões para US$ 180 milhões, isso porque a crise diminuiu a renda e por consequência o consumo em todo o mundo.

Para incentivar a lei da oferta e da procura, o governo federal da época decidiu comprar os estoques dos produtores e fez a queima de 80 milhões de sacas do produto. A tentativa, embora visasse aliviar um pouco do impacto dos produtores de café do país e valorizar a compra no exterior, não foi suficiente para conter os impactos financeiros.

De outro lado, a crise do café estimulou o país a empregar seus esforços na geração de um projeto de industrialização, abrindo um leque de novas possibilidades. Contudo, o café não foi deixado de lado e logo ao fim da década de 1930 os preços começaram a voltar ao normal.

Quem são os maiores produtores no mundo e no nosso país atualmente?

O Brasil possui a marca de maior produtor mundial de café por mais de 100 anos consecutivos. Além do clima que favorece o desenvolvimento da plantação, o forte investimento nas técnicas devido à dependência financeira oriunda das exportações, forçou o país a desenvolver maiores e melhores técnicas de plantio.

Além do Brasil, países como Vietnã, Colômbia, Indonésia, Etiópia, Índia, Honduras, México, Uganda e Guatemala também fazem parte deste ranking mundial. Tamanha importância advém do fato de que além do consumo do próprio café, o processo de retirada da cafeína, é importante para a produção de bebidas de cola, cosméticos e produtos farmacêuticos que utilizam a mesma em sua composição.

Só aqui no país, estima-se que cerca de 30.000 km² são utilizados somente para a plantação de café e alguns estados da região sudeste como Minas Gerais, São Paulo e Brasília se destacam na produção.

Quais são as marcas e quais os tipos de grãos são mais produzidos no Brasil?

Apesar de possuírem mais de 60 tipos de grãos de café existentes, apenas 2 se destacam mundialmente, e no Brasil são as principais cultivadas e comercializadas: as chamadas Robusta (ou Conilon) e Arábica.

Entretanto, o café que normalmente consumimos no dia a dia trata-se de uma junção dos dois grãos através de uma harmonização chamada de blend. Inclusive, esta junção possui peculiaridades importantes a serem comentadas, pois quanto maior for a concentração de grãos do tipo Arábica na composição do blend, maior é a sua qualidade e preço, e em contrapartida, a popularidade dos grãos tipo Robusta é a preferida para a formação de café instantâneos devido a sua maleabilidade por contar com maior quantidade de cafeína e açúcares em sua formação.

Inclusive, quando falamos em qualidade do café, existem algumas marcas que são preferidas pelos brasileiros atualmente, que são: Melitta, Pimpinela, 3 Corações, Qualitá, Pilão, Pelé, Marita, e muitas outras. E por falar no Café Marita, o mesmo promete ser muito mais que uma simples bebida, atuando como um suplemento alimentar e emagrecedor quando aliado a outros ativos.

Para ter acesso as opções do café Marita, sites como a Rede Fácil facilitam a procura e compra desta marca especial no mercado.

Quer saber mais sobre a produção dos grãos produzidos no Brasil? Confira abaixo mais informações que preparamos para você!

Estados que produzem Robusta:

  • Bahia:Este estado possui diferenciais geográficos que incentivam a produção e a comercialização deste café, pois desta forma as colheitas acontecem antecipadamente, em fevereiro, o que abre vantagem de vendas frente aos outros estados em que a colheita é mais tardio.
  • Rondônia:O clima quente e úmido facilita o incentivo à produção deste tipo de grãos que é feita em áreas pequenas e familiares. O estado é considerado o segundo maior produtor deste tipo de café no país.
  • Espírito Santo:É o estado considerado o segundo maior produtor de Robusta do mundo. As características climáticas e geográficas da região favorecem o cultivo o que torna possível a produtividade em longa escala.
  • Estados que produzem Arábica:

    • Bahia:Responsável pela produção tanto de Robusta quanto de Arábica, tendo como foco a segunda. Região conhecida por produzir grãos com aroma mais doce e um café mais encorpado.
    • Cerrado Mineiro:Região em que estes tipos de grãos são cultivados por mais tempo no Brasil. As características deste café compõem um padrão adocicado e achocolatado.
    • Espírito Santo:As características da variedade Arábica desta região são cafés com sabor mais frutado e com alta acidez.
    • Matas de Minas Gerais:Região que proporciona, devido as características da região um café mais suave e de aroma neutro.
    • Mogiana:Apesar de as características de solo da região não serem as mais adequadas, a temperatura média de 20°C da região favorece seu cultivo. Isso resulta em um café suave, adocicado e frutado.
    • Paraná:Nesse estado, o foco deste tipo de produção foi ao auge até a década de 1970. A partir daí, as alterações de clima afetaram um pouco os resultados de cultivo, sendo necessários investimentos e estudos. As características atuais deste tipo de café são resultadas em um tipo de bebida um pouco mais dura e fraca.
    • Sul de Minas Gerais:Região de maior cultivo do mundo deste tipo de café. As características climáticas da região favorecem a conquista deste patamar alcançado com bebidas de aroma frutado e sabor ácido.

    Como e quanto é consumido desta bebida no território nacional?

    Quando falamos do consumo em próprio território nacional, a região Sudoeste destaca-se pelo consumo, em média de 48% de todo o país. Em seguida, vem a região Nordeste com 24%, a região Sul com 19% e por último, as regiões Norte e Centro Oeste apresentam cada uma com um consumo de 9%.

    Além disso, o café preto em pó é ainda o preferido e mais consumido pelos brasileiros, com 81% de preferência no país, seguido de 18% aos grãos que são torrados e expressos em padarias e cafeterias e por último, com apenas 1% de consumo em todo o território, os cafés encapsulados.

    A maioria dos brasileiros ainda preferem tomar o café em casa, e em seguida classificam-se aqueles que apreciam a bebida em algum tipo de comércio, sendo representados por aqueles que trabalham fora ou possuem uma vida extremamente corrida.

    Quando falamos de café e suas combinações, os brasileiros também possuem algumas particularidades: a maioria dos brasileiros preferem o consumo de café expresso, seguido do café pingado, café com leite, cappuccino e por último, o mocha que é uma mistura de cappuccino com calda de chocolate no fundo e outros ingredientes.

    Qual a diferença entre o café consumido aqui e o tipo exportação?

    O café consumido no Brasil, é composto pelo blend dos grãos tipos Arábica e Robusta, contudo, quando falamos em exportação, os cafés mais vendidos para o mundo a fora são em sua maioria os de tipo Arábica, produzidas de um jeito orgânico, sem fertilizantes e mais natural o possível.

    Isso porque em termos de qualidade e saúde esses grãos se destacam, além do fato deste tipo de café possuir alguns diferenciais além dos já citados no texto, como:

    • Ser naturalmente mais adocicado;
    • Possuir menos cafeína;
    • Provocar menos azias e gastrites.

    Como a torragem e moagem podem interferir no sabor do café?

    O processo de torragem e moagem dos grãos definem aspectos de sabor, textura e acidez diferenciados dependendo da forma em que forem preparados. Falando em torragem, existem basicamente 3 tipos de torra: média, clara e escura compondo em cada uma delas peculiaridades especiais, tais como:

    • Torra clara: responsável por gerar um café mais suave, com menos amargor e cor parecida com a canela;
    • Torra média: é a mais consumida no mercado em geral, equilibrando os aspectos de acidez, sabor e amargor. Muito utilizada nos processos de coagem tradicionais de cor marrom avermelhado. É o típico café tradicional;
    • Torra escura: Utilizado em cafés extraídos por máquinas, resulta em uma bebida forte, potente e de menor acidez.

    No processo posterior conhecido como moagem é refletido os aspectos de frescor do café, ou seja, quanto mais recente for a moagem dos grãos, mais natural e fresco será o paladar para o degustador. Inclusive, para os amantes do café existem moedores domésticos que podem ser utilizados para tornar a experiência ainda mais saborosa dentro de casa.

    Na máquina, moído, na cafeteira com coador, em pó solúvel, direto na garrafa com filtro, em cápsulas, qual é o brasileiro mais tomado?

    Em 2014, a Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC) realizou uma pesquisa com os brasileiros afim de descobrir qual o modo de preparo da bebida é a predileta pela população.

    Os detalhes descobertos foram os seguintes: a maioria dos 7.000 entrevistados, preferem fazer o café coado em filtro de papel, cerca de 46% ou 3.220 pessoas. Em seguida, 25% preferem o café coado em filtro de pano, o equivalente a 1.750 pessoas, as máquinas de café expresso ficaram com 19% da preferência, devido a acessibilidade, técnica e preço. Por fim, em último lugar foram classificados os cafés instantâneos ou solúveis com apenas 10% dos votos.

    A preferência pelo café coado está extremamente relacionada à forma de preparo convencional, de baixo custo e tradicional que é realizada em muitas casas diariamente. Certamente o café vai a muito além de uma simples bebida e é simbolizada como marca registrada na manhã e no dia a dia da população brasileira de geração em geração.

    Além do contexto histórico incrível desta iguaria presente até os dias atuais em nossas vidas, sua funcionalidade, praticidade no preparo além do hábito enraizado quer seja no Brasil ou mundo afora, beber uma boa xícara de café nunca será um ato ultrapassado.

    Esperamos que as curiosidades e informações apresentadas neste breve momento possam ter lhe ajudado a entender melhor o mundo cafeeiro!

    Referências:
    <a href=”https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/made-in-brasilia/2017/04/21/noticia-especial-madeinbrasilia,590051/a-producao-de-cafe-de-brasilia-e-uma-maiores-do-pais.shtml” rel=”nofollow”>https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/made-in-brasilia/2017/04/21/noticia-especial-madeinbrasilia,590051/a-producao-de-cafe-de-brasilia-e-uma-maiores-do-pais.shtml</a>
    <a href=”https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/made-in-brasilia/2017/04/21/noticia-especial-madeinbrasilia,590051/a-producao-de-cafe-de-brasilia-e-uma-maiores-do-pais.shtml” rel=”nofollow”>https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/made-in-brasilia/2017/04/21/noticia-especial-madeinbrasilia,590051/a-producao-de-cafe-de-brasilia-e-uma-maiores-do-pais.shtml</a>

Gostou? Por favor nos ajude: compartilhe!